quinta-feira, 23 de julho de 2009

JAZZ os Inícios - Charles Mingus

 

Charles Mingus - Biography

One of the most important figures in twentieth century American music, Charles Mingus was a virtuoso bass player, accomplished pianist, bandleader and composer. Born on a military base in Nogales, Arizona in 1922 and raised in Watts, California, his earliest musical influences came from the church-- choir and group singing-- and from "hearing Duke Ellington over the radio when [he] was eight years old." He studied double bass and composition in a formal way (five years with H. Rheinshagen, principal bassist of the New York Philharmonic, and compositional techniques with the legendary Lloyd Reese) while absorbing vernacular music from the great jazz masters, first-hand. His early professional experience, in the 40's, found him touring with bands like Louis Armstrong, Kid Ory and Lionel Hampton.

Eventually he settled in New York where he played and recorded with the leading musicians of the 1950's-- Charlie Parker, Miles Davis, Bud Powell, Art Tatum and Duke Ellington himself. One of the few bassists to do so, Mingus quickly developed as a leader of musicians. He was also an accomplished pianist who could have made a career playing that instrument. By the mid-50's he had formed his own publishing and recording companies to protect and document his growing repertoire of original music. He also founded the "Jazz Workshop," a group which enabled young composers to have their new works performed in concert and on recordings.

Mingus soon found himself at the forefront of the avant-garde. His recordings bear witness to the extraordinarily creative body of work that followed. They include: Pithecanthropus Erectus, The Clown, Tijuana Moods, Mingus Dynasty, Mingus Ah Um, The Black Saint and the Sinner Lady, Cumbia and Jazz Fusion, Let My Children Hear Music. He recorded over a hundred albums and wrote over three hundred scores.
Although he wrote his first concert piece, "Half-Mast Inhibition," when he was seventeen years old, it was not recorded until twenty years later by a 22-piece orchestra with Gunther Schuller conducting. It was the presentation of "Revelations" which combined jazz and classical idioms, at the 1955 Brandeis Festival of the Creative Arts, that established him as one of the foremost jazz composers of his day.

In 1971 Mingus was awarded the Slee Chair of Music and spent a semester teaching composition at the State University of New York at Buffalo. In the same year his autobiography, Beneath the Underdog, was published by Knopf. In 1972 it appeared in a Bantam paperback and was reissued after his death, in 1980, by Viking/Penguin and again by Pantheon Books, in 1991. In 1972 he also re-signed with Columbia Records. His music was performed frequently by ballet companies, and Alvin Ailey choreographed an hour program called "The Mingus Dances" during a 1972 collaboration with the Robert Joffrey Ballet Company.

He toured extensively throughout Europe, Japan, Canada, South America and the United States until the end of 1977 when he was diagnosed as having a rare nerve disease, Amyotropic Lateral Sclerosis. He was confined to a wheelchair, and although he was no longer able to write music on paper or compose at the piano, his last works were sung into a tape recorder.

From the 1960's until his death in 1979 at age 56, Mingus remained in the forefront of American music. When asked to comment on his accomplishments, Mingus said that his abilities as a bassist were the result of hard work but that his talent for composition came from God.

Mingus received grants from the National Endowment for the Arts, The Smithsonian Institute, and the Guggenheim Foundation (two grants). He also received an honorary degree from Brandeis and an award from Yale University. At a memorial following Mingus' death, Steve Schlesinger of the Guggenheim Foundation commented that Mingus was one of the few artists who received two grants and added: "I look forward to the day when we can transcend labels like jazz and acknowledge Charles Mingus as the major American composer that he is." The New Yorker wrote: "For sheer melodic and rhythmic and structural originality, his compositions may equal anything written in western music in the twentieth century."

He died in Mexico on January 5, 1979, and his ashes were scattered in the Ganges River in India. Both New York City and Washington, D.C. honored him posthumously with a "Charles Mingus Day."

After his death, the National Endowment for the Arts provided grants for a Mingus foundation called "Let My Children Hear Music" which catalogued all of Mingus' works. The microfilms of these works were then given to the Music Division of the New York Public Library where they are currently available for study and scholarship - a first for jazz. Repertory bands called the Mingus Dynasty, Mingus Orchestra and the Mingus Big Band continue to perform his music. Biographies of Charles Mingus include Mingus by Brian Priestley; Mingus/Mingus by Janet Coleman and Al Young and Myself When I Am Real, by Gene Santoro.

Mingus' masterwork, "Epitaph," a composition which is more than 4000 measures long and which requires two hours to perform, was discovered during the cataloguing process. With the help of a grant from the Ford Foundation, the score and instrumental parts were copied, and the piece itself was premiered by a 30-piece orchestra, conducted by Gunther Schuller, in a concert produced by Sue Mingus at Alice Tully Hall on June 3, 1989, ten years after Mingus' death.

The New Yorker wrote that "Epitaph" represents the first advance in jazz composition since Duke Ellington's "Black, Brown, and Beige," which was written in 1943. The New York Times said it ranked with the "most memorable jazz events of the decade." Convinced that it would never be performed in his lifetime, Mingus called his work "Epitaph," declaring that he wrote it "for my tombstone."

The Library of Congress was presented with the Charles Mingus Collection in 1993, including autographed manuscripts, photographs, literary manuscripts, correspondence, and tape recordings of interviews, broadcasts, recording sessions, and Mingus composing at the piano.

Reprinted from More than a Fake Book © 1991 Jazz Workshop, Inc.

Links to Additional Biographical and Historical Information on the Web

Library of Congress
An index to the holdings of the Charles Mingus Collection, Music Division of the Library of Congress.
http://www.loc.gov/performingarts/encyclopedia/collections/mingus.html

terça-feira, 21 de julho de 2009

Kasabian: 'I don't know if it's good or bad to be Mercury favourites' | News | NME.COM

Serge Pizzorno says the band's nomination came as a shock to him

Kasabian's Sergio Pizzorno has said he can't decide if it's good or bad to have been named the current favourite, along with Florence And The Machine, to win the Barclaycard Mercury Prize 2009.

Reacting to news that the band have been given odds of 5/1 to pick up the prize this September, Pizzorno told NME.COM he hadn’t even contemplated being nominated before this morning (July 21).

"I've never really thought about it before, and then someone rang us up and goes "You're nominated," and it's like "Yeah?! Nice one!"," he said.

"I think we're joint favourites aren’t we? I don’t know if that’s a good thing or a bad thing though… To be honest, if we can play there, at the ceremony, that would be nice."

Pizzorno also paid tribute to fellow nominees The Horrors, as well as other "NME-type" bands.

"That Horrors album's really good isn’t it?" he exclaimed. "I like the single they released, it's great. I'm glad they're in it [the nominations list]. The NME-type bands are sort of saving it a bit, do you know what I mean?!"

To listen to full interviews with acts nominated for the Barclaycard Mercury Prize 2009, tune into Chris Martin's show on NME Radio this evening, from 7pm to 11pm (BST).

Last year's Barclaycard Mercury Prize was won by Elbow.

Who do you think has missed out on this year's Barclaycard Mercury Prize? Have your say at the NME office blog now.

Plus read the NME's predictions for who will win the 2009 Barclaycard Mercury Prize now.



quinta-feira, 16 de julho de 2009

Charlie Chaplin dos Tempos Modernos

Hoje é preciso escândalo para chamar a atenção. Sacha Baron Cohen consegue-o com "Brüno", filme sobre o jornalista de moda, austríaco, homossexual. Mostra tudo. E deixa o espectador nu. Que limites, hoje, para o humor?

Nudez frontal masculina (e dançante). Dildos, muitos. Sexo com pigmeus. Mães e pais que admitem expor os filhos bebés a ácido ou emagrecê-los rapidamente desde que entrem numa sessão fotográfica. Um pastor evangélico com o dom de curar a homossexualidade. Adopção de uma criança negra - chamada O.J. para fazer justiça à herança afro-americana - por um jornalista de moda que quer ser célebre à força, usa maquilhagem, pinta o cabelo, é gay.

O que o choca mais nesta lista? Nada? Tudo? Perante Sacha Baron Cohen e "Brüno" o espectador não pode ficar passivo: desconforto, riso, confronto. Tudo, da nudez masculina aos pais sedentos por uma gota de fama por interposto bebé, está em "Brüno". E está lá para si.
"São temas incontornáveis porque são os mais importantes, que trazem divisão, polémica", diz o humorista Nuno Duarte, aliás Jel, ao Ípsilon. Sexo, raça, género. Um "buffet" que faz dos temas ditos sensíveis aquilo a que Jel, o Homem da Luta que provoca os homens com o seu machista gay, chama de "hiper-realismo".

Os métodos são os que tornaram Sacha Baron Cohen ou, melhor dizendo, Borat, numa celebridade. "Brüno" é mais uma viagem de um jovem em busca da fama na terra das oportunidades. E, pelo caminho, e com a fiabilidade que o género "mockumentary" permite, coloca um espelho em frente à cultura ocidental. Surpreende gente mais ou menos conhecida com as suas perguntas, com a sua sexualidade, com a sua estupidez. E desarma-os e desarma-nos. Forçando-nos a pensar nos limites do humor, do bom gosto. Pelo caminho, o "walk of fame" de Brüno torna-se "walk of shame".

"Brüno" é, verdade, "Borat" com melhor guarda-roupa. E Brüno é Borat, que é Ali G, que é Sacha Baron Cohen.... No trabalho do humorista britânico, uma máscara mediática esconde sempre outra. Descodifique-se, para se avançar: ele encara as personagens, exageros dos exagerados, "diseurs" do indizível, como ferramentas. Sobre Borat, disse, em rara entrevista à "Rolling Stone" (2006): "Pelo facto de ele ser anti-semita, ele permite às pessoas baixarem as defesas e exporem o seu próprio preconceito, seja o anti-semitismo ou a aceitação do anti-semitismo".

O palhaço da turma

Sacha Baron Cohen adora estereótipos e sabe quais são os pontos sensíveis em que espeta o dedo. Isso faz dele um comentador, corrobora Robert Thompson, director do Centro Bleier para a Cultura Popular e Televisão. "Ele é alguém cujas opiniões ouvimos". E, mais depressa do que conseguirá dizer "Borat: Aprender Cultura da América Para Fazer Benefício Glorioso à Nação do Cazaquistão", já está a girar a mira para outro alvo. Agora é a moda mas, mais do que tudo, a homofobia. Não é a homossexualidade.

Cohen "incorpora as características que quer parodiar e desencadeia" assim as reacções mais cruas, compara Filipe Homem Fonseca, um dos autores de "Contra-Informação", metade dos Cebola Mol, argumentista total. "É o agente provocador perfeito. É o humor de observação levado ao extremo. E isso é brilhante".

Depois de Borat Sagdiyev reflectir os preconceitos em relação aos estrangeiros (a "Vanity Fair" escrevia, num perfil de 2006, que Cohen vestiu Borat de fato cinzento, mal amanhado, porque "sabe que a maior parte dos americanos esperam que um estrangeiro cheire mal") e aos judeus, Brüno vem embalado como uma efígie do que o cidadão médio acha que é um homossexual-tipo.

Sempre vestido de forma extra-chocante e hiper-sexual (porque também se esperará, arrisquemos, que um homossexual seja provocador e exibicionista), viaja pelos EUA com o objectivo de se tornar célebre. E isso cruza-se com a sua capacidade de capturar o "zeitgeist" e de o regurgitar - a comédia de Cohen é tão visceral quanto isso. Usa, tal como Jel na sua comédia "Vai Tudo Abaixo" (SIC Radical) - Jel sente-se honrado com este paralelismo -, uma "estética de apanhados mas com personagens bem definidas. E nesses apanhados, há o injectar de um certo surrealismo, de uma certa provocação na realidade. Isto é muito moderno, é uma reacção aos tempos. É contemporâneo, é agora".

Agora? "É a sociedade do espectáculo, em que tudo é espectacularizado: a guerra, a política, o desporto. E a possibilidade de intervir nisso, surrealizando, é muito tentadora". Algures, ao longe, ao ver "Borat" e agora "Brüno", ouvimos o ruído da cultura ocidental a partir-se em bocadinhos. Pelo choque, pelo desconforto, mas também porque a mescla de situações reais e a ficção débil (serve apenas o propósito de coser um gag ao seguinte) se adequa ao mundo da web, da tele-realidade, das celebridades de pacote, dos "household names" instantâneos. E é suja, chocante, "in your face".

Robert Thompson, o académico mais citado dos EUA pelo interesse que desperta hoje essa ampla secção da cultura a que se chama pop, vê Sacha como o "palhaço da turma", cuja última partida foi tão forte que todos esperam a seguinte com expectativa. E, ainda por cima, "estamos numa grande sala de aulas em que há celebridades em tantas e múltiplas dimensões que é preciso baixar as calças e dizer asneiras na sala para chamar a atenção. E que pode ser humor politicamente esclarecedor, mas que também pode ser nojento só para ser nojento".

Humor sem limites

Três anos depois de "Borat", o novo registo de Cohen está carregado de mais e mais intencionalidade. A nudez masculina, o homem-com-homem, Jesus vs. Gays, estão para Sacha Baron Cohen como W. Bush e Charlton Heston estavam para Michael Moore. O valor-choque de Cohen, ora crucificado, ora elogiado como pioneiro - à saída de "Borat", George Meyer, argumentista de "Os Simpsons", dizia: "Sinto-me como alguém a quem deram a ouvir o 'Sgt. Pepper's Lonely Heart Club Band' pela primeira vez" -, é certeiro. Não só sabe escolher os temas, como é capaz de os atacar "directamente na jugular". "E  isso é que o torna relevante", diz Thompson ao telefone com o Ípsilon a partir da Universidade de Syracuse.

Rui Sinel de Cordes sabe bem do que se está a falar. Tal como Jel, já foi agredido na rua, já recebeu ameaças de morte por causa de "Preto no Branco", o seu programa de humor na SIC Radical. Fátima, estrangeiros, góticos, mulheres vítimas de violência doméstica, cancro, cadeiras de rodas, vale tudo. "Não existem limites no humor. O limite é se tem piada ou não." Filipe Homem Fonseca, Jel e os três autores de "Bruno Aleixo" (SIC Radical) concordam. Pedro Santo, João Moreira e João Pombeiro classificam o trabalho de Baron Cohen como "um Apanhado evoluído, 2000, 2.0, redux". E como não costumam navegar as áreas dos temas sensíveis, apenas acham que "a riqueza do humor não tem muito a ver com pôr ou não o dedo na ferida. Há bom e mau humor que põe o dedo na ferida e o mesmo se aplica ao que não põe o dedo na ferida. Pôr o dedo é uma opção".

Já Rui Sinel de Cordes é fervoroso adepto do humor das partes onde o sol não brilha. "Faço humor negro porque gosto. E se gosto existem mais pessoas que gostam". Ao pensar em Sacha Baron Cohen, lembra-se da comédia de Bill Hicks e George Carlin - que desafiaram limites humorísticos e culturais há duas, três décadas. "Nos EUA fazia falta um humorista que voltasse a desafiar o sistema. Sacha Baron Cohen é capaz de ser o humorista que conseguiu, nos últimos 20 anos, seguir o trabalho deles".

São tempos bons para a comédia, assegura-nos Thompson. "Especialmente agora, neste ambiente em que há tantos programas, filmes e séries televisivas que apostam nesse género de temas não-acredito-que-eles-fizeram-isto. Na Comedy Central, o 'South Park' fá-lo todas as semanas e mesmo nos generalistas, temos o 'Family Guy' e afins. No breve período desde que 'Borat' se estreou, estranhamente, a noção de comédia escandalosa e excessiva tornou-se praticamente ortodoxa". Como as comédias de Judd Apatow ("Virgem aos 40 anos", "Um Azar do Caraças") têm comprovado, professor Thompson? "Sim, são um exemplo de quão 'mainstream' isto se está a tornar."

Sacha Baron Cohen é, então, como um miúdo com fósforos num mundo regado a querosene, e onde há já fogueiras a bruxulear lá ao longe. A polémica, os tais temas fracturantes, são o seu ponto de partida. Depois, resta marcar a diferença. Nas semanas que antecederam a estreia de "Brüno", ele assombrava as redacções dos jornais e a Internet. Exímio manipulador, estava em todo o lado em digressão promocional. Aparições em figurinos surreais em todas as cidades. Entrevistas dentro da personagem ("Quero ser o austríaco mais famoso desde Hitler"; "O filme que acabei de fazer é o mais importante documentário sobre um gay branco desde 'A Paixão de Cristo'"). Filipe Homem Fonseca elogia-lhe a consistência. "Sacha Baron Cohen é o Dias Loureiro da comédia. Mantém a história até ao fim". Como Andy Kaufman (1949-1984, performer americano - Jim Carrey interpretou-o em "Homem na Lua"), em relação ao qual nunca sabíamos onde acabava a personagem e começava o homem, é tudo parte do espectáculo.

Espírito kamikaze

E, como não podia deixar de ser, com ele vem a polémica. A Gay and Lesbian Alliance Against Defamation (GLAAD) viu duas versões inacabadas do filme, a convite da Universal. E Rashad Robinson, director dos programas de média da GLAAD, foi à imprensa dizer que "as intenções de quem fez o filme estão no lugar certo - a sátira deste género pode desmascarar a homofobia - mas ao mesmo tempo ele pode aumentar o desconforto das pessoas em relação à nossa comunidade".

Eis a palavra-chave: desconforto. Tal como a Human Rights Campaign, a GLAAD acha que "Brüno" devia vir com um aviso prévio. Qualquer coisa como: "Este filme tem como objectivo expor a homofobia". Mas Aaron Hicklin, editor da revista "Out", vê mais além. "O filme faz algo enormemente importante, que é mostrar que as atitudes das pessoas podem mudar, num segundo, quando elas se apercebem que és gay. Os 'habituées' dos multiplexes normalmente não se sentariam para ver uma palestra de duas horas sobre homofobia, mas é exactamente isso que vai acontecer", disse ao "New York Times". E vai pôr Sacha na capa de Agosto, tal como a "GQ" fez este mês nos EUA.

Uma das mais-valias do fenómeno Cohen é a tal lógica das bonecas russas: há vários níveis de entendimento de uma piada, de uma caricatura, e se há espectadores que vão vê-lo "ao engano, acabam também por ser alvo da paródia. Isso é a sofisticação maior", comenta Filipe Homem Fonseca. Não esquecendo os danos colaterais - neste caso os entrevistados, os apanhados. "Às vezes tem de haver baixas entre civis", ri-se Filipe Homem Fonseca. "Isso faz parte do dispositivo. Quando fazes uma piada, mesmo quando contas uma simples anedota, há sempre uma rasteira."

O risco não é só para os incautos apanhados (que podem ser muito pouco inocentes - "Uma coisa é eu fazer uma imitação do José Sócrates, outra é apanhar o José Sócrates à minha frente com o meu megafone. Tem muito mais força, força política", sublinha Jel). Também sobra risco para os protagonistas que têm boas hipóteses de apanhar. Melhor ainda, garante Jel no seu espírito kamikaze. "Dispara a nossa adrenalina, é sem rede. Criativamente, é muito inspirador." Cohen, na tal entrevista à "Rolling Stone", apenas resume que o carinho intensivo dos seus pais lhe dá hoje "a força para sair para junto de uma multidão de pessoas que te odeiam". No fundo, o mundo é a sua ostra e os EUA a sua pérola de experiência sociológica. Ou serão um irrecuperável grão de areia? Ele testa os limites porque "o timing é tão volátil que é rico para a comédia e [ele] vai atrás de coisas que nos deixam desconfortáveis, que nos testam", postula Thompson no seu púlpito de peritagem pop.

"Brüno" chega numa altura em que parece existir mais espaço para todos os tipos de comédia. Agora, diz-nos Thompson, nos EUA a última fronteira dos tabus é a palavra "preto", mas continua a haver "regras diferentes para salas diferentes". Se for a de Jay Leno, como era a de Herman José no infame episódio censório da Rainha Santa, é melhor não abusar. O "mainstream" é demasiado condicionado pelas regras e convenções genéricas. Nos nichos, no cabo, já é outra coisa.

A chegada de mais um objecto Cohen à comédia é como a chegada de mais um filme de Michael Moore aos EUA - e cabe agora a "Brüno" provar se a partida seguinte do palhaço da turma vale a pena. Mas uma coisa ele conseguiu: é um dos ingredientes de um caldo cultural mais tolerante e ajudou a confeccioná-lo porque a cada aparição mais ultrajante/hilariante (risque o que não interessa) se clarificam os novos limites. E depois há o resto.

"Uma das razões pelas quais vemos mais desta comédia hoje é porque o ambiente cultural é muito mais tolerante. Temos canais de cabo onde estas coisas podem passar, uma indústria cinematográfica com um sistema de classificações que as permitem. Há um lugar para elas que não existia nos anos 1950", diz Robert Thompson. "Outra coisa é um ambiente cultural tão fragmentado, com milhares de músicas disponíveis no iTunes, um número infinito de coisas na Internet e 300 canais de cabo, muitos dos quais a produzir programação original. É preciso fazer uma coisa muito escandalosa para chamar a atenção".
Diríamos que "Brüno" o conseguiu.


quarta-feira, 15 de julho de 2009

A Origem Do Negro mais Branco

Segundo o site da New Musical Express:

A video of a harrowing accident that occurred while Michael Jackson was filming a Pepsi commercial in 1984 has surfaced online.

The video shows Jackson dancing on stage at the Shrine Auditorium in Los Angeles while pyrotechnic displays explode around him. Things went wrong during the sixth take, when the fireworks went off too early and Jackson's hair caught on fire.

Jackson was apparently unaware that his head was burning and continued dancing until the crew descended on him to put out the flames. He reportedly suffered third-degree burns on his scalp and body as a result.

According to Usmagazine.com, Jackson was prescribed several medications to help him tolerate the pain from this accident, which began his addiction to painkillers and his obsession with plastic surgery.


A Gripe Suína Nos Obesos Pode Tornar-se Mais Perigosa

Segundo um artigo da revista Newscientist:

AS IF people struggling with obesity did not have enough to worry about, they now face a new health hazard. According to statistics from the US, overweight people appear more likely to die of swine flu.

Most of the people who have died from H1N1 swine flu have had an underlying health problem that weakened their ability to fight off the virus. Among the conditions recognised as increasing the risk from flu are hypertension, diabetes, chronic lung obstruction and coronary disease. Now it may be time to add obesity to the list.

Unpublished figures reported at a recent meeting of the US Centers for Disease Control and Prevention in Atlanta, Georgia, show that of 99 people who died in the early stages of the pandemic in the US, 45 per cent were obese. As only 26 per cent of US adults are obese, this suggests that obesity doubles the risk of getting seriously ill with swine flu (see chart).

The figures surprised most flu researchers. "In 40 years of studying flu, I have never heard anything about obesity," says virologist John Oxford of Barts and The London School of Medicine and Dentistry, University of London. Obesity specialists, however, say it fits with what they have learned in recent years.

The only study looking directly at flu and obesity was done in 2007 by Melinda Beck and colleagues at the University of North Carolina, Chapel Hill. It was already known that abdominal fat releases a continuous stream of chemicals that trigger inflammation, an immune response normally aimed at killing invading pathogens and infected cells. So Beck's team wondered what effect this had on flu. They were especially interested, she says, because runaway inflammation, known as a "cytokine storm", is what kills most flu victims.

Beck and her team found that overfed, obese mice are nearly seven times as likely to die of ordinary flu as genetically identical lean mice (The Journal of Nutrition, vol 137, p 1236).

The researchers also measured immune chemicals in the mice's blood. Prior to infection, the obese mice had much higher levels of a hormone called leptin than the normal mice. During the initial stages of infection, they had fewer virus-killing cells and chemicals.

Leptin is released by fat cells and, among other things, triggers immune reactions. Beck thinks that obese mice become desensitised to leptin, making their immune system slow to react. "Our experiments suggest the problem is the fat itself."

As their flu worsened, the obese mice did mount an immune response, but it was "too little too late", says Beck. It failed to get rid of the virus and eventually triggered a runaway immune response that escalated until it killed the mice - much as the cytokine storm does in people.

We don't know if the same series of events happen in obese people with swine flu, Beck warns. But it is possible that, as in mice, obesity dampens our ability to fight flu by disrupting the immune response, says Jesse Roth, a diabetes specialist at Albert Einstein College of Medicine in New York. "The resting level of inflammation goes up in obesity," he says. He suspects that this disrupts the body's immune response to viruses, making a lethal runaway reaction more likely.

During a flu pandemic, it is more important than ever to tackle obesity, Roth says. "It's amazing how much obesity-related inflammation you can reverse with just a little diet and exercise." He says a daily half-hour walk and losing about 5 per cent of body weight if you are overweight is enough to reduce inflammation.

David Fedson, a former flu researcher at the University of Virginia in Charlottesville, has long proposed using drugs that damp down inflammation, such as statins, fibrates and glitazones, as an additional way of cutting deaths from flu. These drugs are normally prescribed for obesity-related disorders such as high cholesterol and insulin insensitivity.

Drugs that damp down inflammation could offer an additional way of cutting deaths from flu

The new figures on obesity and swine flu strengthen the case for stockpiling the drugs, given that shortages of vaccine and antiviral drugs are likely, Fedson says. "These drugs are safe and cheap, but they are being ignored by pandemic planners."


Ípsilon

 

Ípsilon

No Festival Marés Vivas, em Gaia, é a cultura musical britânica que se anuncia

Na quinta, Gaia estreitará a sua centenária ligação a Inglaterra. Antes, vinham industriais e comerciantes investir no vinho do Porto, agora, no Festival Marés Vivas, é a cultura musical britânica que se anuncia. Investida multifacetada.

Os Kaiser Chiefs, dignos representantes da pop da Velha Albion, regressam com "Off With Their Heads" e uma história inglesa, com início nos Beatles e nos Kinks e passagem por The Jam e Blur, transformada em canções de digestão imediata.

Antes deles, os veteranos Primal Scream, grupo histórico (bastaria "Screamadelica" para o ser) que, nos últimos tempos, os de "Riot City Blues" (2006) e "Beautiful Future" (2008), se reconverteu em banda de putos a tocar rock'n'roll, muito glam, muito pecaminoso, como se os anos 1970 nunca tivessem desaparecido. Quinta-feira é também dia de regresso dos Lamb, banda fetiche do público português. No palco Novos Portugueses onde actuam os John Is Gone, recomenda-se uma olhadela atenta ao concerto dos Sizo, banda portuense que se prepara para editar um segundo álbum, "Got To Love People Who Set Themselves Up For Disaster", todo ele urgência rock'n'roll correndo desgovernada (elogio).

O Marés Vivas prossegue sexta, com concertos dos eternos baladeiros do rock, os Scorpions, e o regresso inesperado dos Guano Apes, a banda germânica que o público português adoptou ali na passagem dos anos 1990 para o século XXI e que, depois da separação em 2005, regressa para averiguar se ainda estamos interessados em riffs metaleiros abrindo caminho para a voz gutural de Sandra Nasic. Seconhand Serenade, os portugueses Fonzie e Cazino completam o cartaz de dia 17.

Para que a despedida seja suave, o último dia do Marés Vivas será delico-doce. Os Keane trazem teclados e pop de refrão orelhudo, Jason Mraz e Colbie Caillat serão os mui veraneantes baladeiros de serviço (entre a calma da esplanada e uma fogueira na praia) e Gabriella Cilmi vem mostrar o que é isso de ser a resposta australiana a Amy Whinehouse. No palco Novos Portugueses estarão os Sinal e a elegância disco-sound dos Soulbizness.

segunda-feira, 13 de julho de 2009

Ensaio Sobre A Cegueira Humana

 

God isn't big enough for some people - About God and Dan Brown

God isn't big enough for some people
We are now approaching the critical time of the year for shops and supermarkets: the month before Christmas is the four weeks when stores of all kinds sell their products fastest. Father Christmas means one thing to children: presents. He has no connection with the original St Nicholas, who performed a miracle in providing dowries for three poor sisters, thereby enabling them to marry and escape a life of prostitution.

Human beings are religious animals. It is psychologically very hard to go through life without the justification, and the hope, provided by religion. You can see this in the positivist scientists of the 19th century.

They insisted that they were describing the universe in rigorously materialistic terms - yet at night they attended seances and tried to summon up the spirits of the dead. Even today, I frequently meet scientists who, outside their own narrow discipline, are superstitious - to such an extent that it sometimes seems to me that to be a rigorous unbeliever today, you have to be a philosopher. Or perhaps a priest.

And we need to justify our lives to ourselves and to other people. Money is an instrument. It is not a value - but we need values as well as instruments, ends as well as means. The great problem faced by human beings is finding a way to accept the fact that each of us will die.

Money can do a lot of things - but it cannot help reconcile you to your own death. It can sometimes help you postpone your own death: a man who can spend a million pounds on personal physicians will usually live longer than someone who cannot. But he can't make himself live much longer than the average life-span of affluent people in the developed world.

And if you believe in money alone, then sooner or later, you discover money's great limitation: it is unable to justify the fact that you are a mortal animal. Indeed, the more you try escape that fact, the more you are forced to realise that your possessions can't make sense of your death.

It is the role of religion to provide that justification. Religions are systems of belief that enable human beings to justify their existence and which reconcile us to death. We in Europe have faced a fading of organised religion in recent years. Faith in the Christian churches has been declining.

The ideologies such as communism that promised to supplant religion have failed in spectacular and very public fashion. So we're all still looking for something that will reconcile each of us to the inevitability of our own death.

G K Chesterton is often credited with observing: "When a man ceases to believe in God, he doesn't believe in nothing. He believes in anything." Whoever said it - he was right. We are supposed to live in a sceptical age. In fact, we live in an age of outrageous credulity.

The "death of God", or at least the dying of the Christian God, has been accompanied by the birth of a plethora of new idols. They have multiplied like bacteria on the corpse of the Christian Church -- from strange pagan cults and sects to the silly, sub-Christian superstitions of The Da Vinci Code.

It is amazing how many people take that book literally, and think it is true. Admittedly, Dan Brown, its author, has created a legion of zealous followers who believe that Jesus wasn't crucified: he married Mary Magdalene, became the King of France, and started his own version of the order of Freemasons. Many of the people who now go to the Louvre are there only to look at the Mona Lisa, solely and simply because it is at the centre of Dan Brown's book.

The pianist Arthur Rubinstein was once asked if he believed in God. He said: "No. I don't believe in God. I believe in something greater." Our culture suffers from the same inflationary tendency. The existing religions just aren't big enough: we demand something more from God than the existing depictions in the Christian faith can provide. So we revert to the occult. The so-called occult sciences do not ever reveal any genuine secret: they only promise that there is something secret that explains and justifies everything. The great advantage of this is that it allows each person to fill up the empty secret "container" with his or her own fears and hopes.

As a child of the Enlightenment, and a believer in the Enlightenment values of truth, open inquiry, and freedom, I am depressed by that tendency. This is not just because of the association between the occult and fascism and Nazism - although that association was very strong. Himmler and many of Hitler's henchmen were devotees of the most infantile occult fantasies.

The same was true of some of the fascist gurus in Italy - Julius Evola is one example - who continue to fascinate the neo-fascists in my country. And today, if you browse the shelves of any bookshop specialising in the occult, you will find not only the usual tomes on the Templars, Rosicrucians, pseudo-Kabbalists, and of course The Da Vinci Code, but also anti-semitic tracts such as the Protocols of the Elders of Zion.

I was raised as a Catholic, and although I have abandoned the Church, this December, as usual, I will be putting together a Christmas crib for my grandson. We'll construct it together - as my father did with me when I was a boy. I have profound respect for the Christian traditions - which, as rituals for coping with death, still make more sense than their purely commercial alternatives.

I think I agree with Joyce's lapsed Catholic hero in A Portrait of the Artist as a Young Man: "What kind of liberation would that be to forsake an absurdity which is logical and coherent and to embrace one which is illogical and incoherent?" The religious celebration of Christmas is at least a clear and coherent absurdity. The commercial celebration is not even that.

As Imagens Também Exprimem




quarta-feira, 8 de julho de 2009

O Ensino Em Portugal e As Ideias Sobre Ele.

Quoted from http://ultimahora.publico.clix.pt/noticia.aspx?id=1390750:

 

PUBLICO.PT - Desilusão e revolta no blogue “Nota Final”

Português foi a disciplina que

mais surpresas causou

Desilusão e revolta

no blogue “Nota

Final”

07.07.2009 - 20h53 Graça Barbosa Ribeiro

A manhã de hoje não foi fácil para muitos alunos, como se percebeu pela desilusão e revolta marteladas pelos que escrevem no blogue Nota Final (http://blogs.publico.pt/notafinal).

Marta Garcia, que teve 15 valores a Matemática e 20 – vinte – a Economia, foi a primeira a descarregar o seu espanto no blogue, com um aviso que nada tinha de irónico: “Não me dêem os parabéns!”. A nota mais importante – por valer 50 por cento no acesso ao curso que deseja – era a de Português e os 128 pontos desenhados na pauta deixaram-na “em estado de choque”. “13? Eu nunca tive menos de 17 num teste...”

O mais estranho é que prova lhe tinha “corrido bem”. Precisamente como a Luís Loureiro, também do 12º ano, que festejou o esperado 18 a Matemática A, mas ficou “surpreendido” com a nota a Português: 13 quando calculava que iria ter 15. “Talvez os exames até tenham sido acessíveis, no entanto os critérios de correcção foram muito rígidos”, escreveu, criticando “a quantidade de pieguices” que aqueles obrigavam os alunos a fazer.

Joana Gonçalves – que foi a exame com 18 a Português e a História e viu as notas caírem, respectivamente, para 14,6 e 16,1 – mostrou-se especialmente indignada com a ministra da Educação, a quem ouviu hoje dizer que as provas foram “adequadas aos programas” e que as notas baixaram por os alunos 'estudarem pouco'. “SEI o programa, fiz testes de 19 valores durante todo o ano e com o meu professor não há cá facilitismos”, frisou, criticando a prova de História por ser “completamente desajustada do programa” e não avaliar conhecimentos, mas a capacidade de “interpretação e de desenrascanço”.

Sobre a prova de Português – a mesma que provocou a desilusão de Marta e de Luís – Joana diz considerar que beneficiou os alunos “com menos capacidades”. “O exame era completamente óbvio e eu, que estou habituada a ter que justificar as minhas opções, explorar textos e ler nas entrelinhas, vi mais do que podia!”, lamenta.

Sem tempo para escrever no blogue, outra das habituais participantes, Cláudia Amorim, mostrava-se, a seguir ao exame, conformada. Pensa que as notas – 17 a Biologia e Geologia e 16 a Matemática A – “ficaram muito aquém” daquilo a que se “tinha proposto” e “não reflectem as competências desenvolvidas ao nível do saber-fazer durante o ano lectivo”; mas a verdade é que não a surpreenderam. Por outro lado, acredita já ter a média necessária para entrar no curso universitário e agora, diz, “isso é o mais importante”.

Marta Proença foi a única a mostrar-se satisfeita. Afinal, é também a única, de entre estes alunos, a frequentar o 11º ano, pelo que tem mais uma hipótese (nos exames de 2010) de subir o 15 de Biologia e Geologia. No blogue, explicou que já contava ter de repetir o exame para o ano, pelo que o facto de ter mais do que os 13 ou 14 valores que calculara (e manter, assim, o 16 com que foi a exame) foi suficiente para lhe pregar no rosto um sorriso.

Fim? Não, pausa. Para alguns os exames continuam na 2ª fase. Cláudia enfrenta o de Português, Luís Loureiro o de Biologia e Geologia e o de Física e Química e Marta Proença apenas este último.

Ípsilon

Quoted from http://ipsilon.publico.pt/teatro/texto.aspx?id=235946:

Ípsilon

 

Vera Mantero vence Prémio

Gulbenkian Arte

07.07.2009 - K.G.

No valor de 50 mil euros

A bailarina e coreógrafa Vera Mantero, de 43 anos, foi ontem distinguida com o Prémio Gulbenkian Arte 2009, no valor de 50 mil euros. Num comunicado, a fundação descrevia Mantero como "uma das artistas mais criativas e singulares da cena nacional, com uma sólida carreira construída ao longo de mais de duas décadas". Admitindo que o anúncio "foi uma grande surpresa", a artista disse ao P2 estar "muito contente" por um prémio que não é de dança, mas de todas as artes, "poder contemplar uma pessoa que trabalha na dança contemporânea". "Mostra que há uma consideração por essa forma de arte", diz, considerando que "o panorama em termos nacionais é muito frágil". "Grande parte da dança contemporânea funciona fora de Portugal", nota a coreógrafa, que na véspera chegara de Montpellier, em França, e antes passara pela Alemanha, onde apresentou a sua última peça, Vamos sentir falta de tudo aquilo que não precisamos (só chegará em Junho do próximo ano a Portugal). "Vivo em Portugal e sou subsidiada em Portugal, mas 70 ou 80 por cento do meu trabalho é visto no estrangeiro e isto é um contra-senso. Não há uma sensibilização para a dança contemporânea nos programadores nacionais - só é vista em Lisboa e no Porto. Não é uma coisa realmente inscrita na sociedade." E conclui: "Ainda bem que a Gulbenkian quer premiar a dança contemporânea. Um prémio é uma chamada de atenção." A fundação destacou ainda a componente multidisciplinar do trabalho de Mantero, salientando que ele "tem cruzado áreas distintas como a música, a performance e o cinema".

terça-feira, 7 de julho de 2009

Microsoft Surface DaVinci | haha.nu - the lifestyle blogzine

Quoted from http://haha.nu/consumerism/gadgets/microsoft-surface-davinci/:

Microsoft Surface DaVinci | haha.nu - the lifestyle blogzine

DaVinci is a prototype/experiment that blurs the lines between the physical and virtual world by combining object recognition, real-world physics simulation and gestural interface design on Microsoft Surface.

Here for more info.

@ haha.nu

domingo, 5 de julho de 2009

"Cantona" da Argentina a Ferro e Fogo

Quoted from http://desporto.publico.clix.pt/noticia.aspx?id=1390382:

PUBLICO.PT Desporto - Jogador mata a tiro adepto que o insultou

O futebolista colombiano Javier Flórez matou este domingo um jovem de um grupo de adeptos que o insultava pelo facto do Atletico Junior ter perdido a final do torneio de abertura do campeonato frente ao Once Caldas.

Aos gritos “frouxo, frouxo” o futebolista respondeu com um tiro que feriu de morte um electricista de 27 anos, acabando por fugir a pé na cidade de Barranquilla, com as enfurecidas testemunhas a destruir o seu automóvel com pedras e outros objectos - o atleta continua a monte e é procurado pelas autoridades.

O Atletico Junior tinha perdido por 2-1 na visita ao Once Caldas e, em casa, voltou a ceder, por 3-1.

Facebook Top Secret

ELPAÍS.com

El 16 de junio se anunció que sir John Sawers; que había ocupado cargos como asesor de Tony Blair, embajador en Bagdad, director de asuntos políticos del Foreign Office -ministerio de exteriores británico-, y que desde 2007 era representante del Reino Unido ante la ONU; iba a ser el próximo jefe del MI6, el servicio secreto británico. Ese mismo día, su mujer colgó 19 fotos de sus vacaciones en la página web Facebook, a las que cualquiera de los 200 millones de usuarios de esta comunidad virtual podía acceder. Lady Sawers no había configurado ningún tipo de seguridad y hacía un uso intensivo de esta red social, donde se podía ver a la familia y amigos más íntimos de la pareja e incluso conocer el domicilio del matrimonio y las direcciones de sus hijos. El dominical inglés The Mail on Sunday, que ha publicado las fotos y la noticia, advirtió al Foreign Office. Los datos ya están retirados de la Red.

La noticia en otros webs

Algunos de los detalles más curiosos fueron los mensajes de felicitación por el acceso cargo dejados en Facebook por los amigos de la red social de Lady Sawers, en los que se referían a Sir Jonh por "Tío C". A los jefes del servicio secreto inglés se los conoce por una letra. En algunas de las fotos podía verse a Sewars en bañador o en el octogésimo sexto cumpleaños de su madre, rodeado de toda su familia.

"Sir John y su familia llevan décadas dentro de los servicios de inteligencia", afirmó el presidente del subcomité antiterrorismo de la Cámara de los Comunes, "sería de esperar que gente así no cometiera tales equivocaciones". Sir Sawers empezó su carrera hace 20 años en el MI6 pero su trabajo ha estado más relacionado con la diplomacia- participó en la resolución del conflicto de Kosovo y en el proceso de paz de Irlanda del Norte- que con el espionaje. El portavoz liberal de Asuntos Exteriores ha pedido al primer ministro británico Gordon Brown que investigue si estas revelaciones suponen un problema para el nombramiento. Otro político inglés ha señalado que "la posición de Sawers es muy delicada y este tipo de información puede abrir la puerta al chantaje".

Dark