domingo, 29 de novembro de 2015

As Minhas Séries e as suas spin off´s

Influenciado por outros posts que visionei noutros blogs, quero aqui partilhar convosco as minhas séries favoritas. 
A verdade! 
É que é a primeira vez que estou a escrever sobre isto, ou por outras palavras, sobre este tema. Sempre considerei complicado argumentar sobre este tema! 
Por duas razões essenciais:

1: a variedade desta forma audiovisual é sempre excessivamente imensa e, falar sobre todas elas, é demasiado complexo e particular. Principalmente por causa do seu Titan de escolha e como cada ela convence cada pessoa individual a segui-la nas suas diferentes temporadas.

2: da forma como tenho descoberto como sou introvertido, percebo mais facilmente porque as minhas escolhas de séries nunca contribuiriam para uma conversa de café pseudo cultural entre cervejas. Um intervalo na escola em que, entre o fumar o cigarro, aquele assunto morria no minuto que começasse. 
Quero dizer, que os meus gostos eram diferentes! E por causa disso tinha vergonha!



Agora sei que não era vergonha! Mas sim desconhecimento! Digo desconhecimento porque foi até muito tarde que percebi que os meus gostos até não eram maus até ler certas críticas sobre algumas das séries que gostava. 
Uma delas foi Twin Peaks, David Lynch.
Nesse sentido resolvi fazer uma pequena lista das séries que acompanho actualmente.  E de longe nunca imaginei que fossem tantas. Por isso, deixo apenas uma imagem com uma pequena sinopse sobre a mesmas (são apenas algumas, tenho assistido a outras).
Sem qualquer data, apontando só a temporada que vai e a storyline que segue até ao momento. 
De facto, ainda são algumas e todas elas diversificadas, com diferentes público alvos. O mais interessante nesta minha análise foi verificar qual a que se enquadra mais com a minha personalidade e gosto pessoal. Mas também deduzir uma nova estratégia de marketing que passou do cinema para a televisão. 



The Vampire Diaries, que já vai na sétima temporada. É uma série mais focada no público alvo juvenil. não vou entrar pela qualidade de representação dos atores nem com comparações cinematográficas. O que me fascina na série é o enredo entre os dois irmãos: Damon Salvatore e Stefan Salvatore. Transformados em Vampiros pela doolperganger de Elena Gilbert: Katerina Petrova. Num mundo onde o sobrenatural habita com o natural, a maior diferença que pode existir entre o bem e o mal é o amor. E esta série ganha muito por essa busca filosófica. 





The Originals é uma série spin off  de TVD. A família Mikaelson constituída por Nicklaus, Elijah, e Rebekah participam na série The Vampire Diaries. Apresentando-se como a família que originou todos os vampiros.
O spin off era inevitável, pois a família é apresentada na outra série num estilo muito noir e envolta em mistérios que merecem de todo ser explorados. Daí a realização querer explorar o seu potencial.
A série já vai na terceira temporada e, na minha opinião destaca-se pelo valor de família assente que nem um tijolo entre monstros. Incutida no voto de always and forever.




The Flash, uma série que começou devagar, mas depressa se está a tornar um verdadeiro fenómeno. Talvez seja uma sequela da storyline que segue Barry Allen, que depois de uma acidente ganha como poder uma velocidade super sónica.
Um herói da DC Comics trazido para a televisão pelo canal norte americano CW.  Apareceu inicialmente na série The Arrow, mas depressa ganhou o seu lugar numa estratégia de marketing inovadora.



Anteriormente falei numa estratégia de marketing inovadora. E a verdade é que The Arrow é a série basilar em todo este método de levar pessoas a ver Televisão e neste género específico a esperar uma série por cada novo episódio.
The Arrow segue a história de Oliver Queen que depois de sofrer um acidente de barco passa cinco anos numa ilha remota do mar do Norte da China denominada Lian Yu. Aí a sua vida muda radicalmente, retransformando-se de um playboy para um Vigilante a super herói.
É também nesta série onde estão a aparecer novos super heróis e vilões que vão no a outra série que vai estrear em 2016.
White Canarian, Firestorm, Captain Cold, Atom e outros são os protagonistas da série que estreia em 2016 intitulada Legends of Tomorrow.



E, finalmente, chegamos á pedra basilar deste post.
Nos últimos anos a indústria cinematográfica estava a sofrer uma morte moribunda pela falta de originalidade nos seus filmes. Tirando um ou outros, todos eram sequelas, prequelas e elas. Filmes que se repetiam e não traziam nada de novo.




A Marvel, apareceu e com ela as figuras de super heróis da banda desenhada, passou para o grande ecrã e o cinema parece que ganhou nova cor.
Porém nem tudo são rosas. e na já longa realização houve os seus percalços, para não dizer falhanços.
A verdade é que no momento a Marvel com os Avengers e os seus spin off's já fala em orçamentos de 1 bliião de dólares, portanto estamos a falar mesmo titãs.
Ou, por outro lado, de uma forma muito inteligente de modificar a fábrica.
O produto cinema sempre foi formado pela ideia de um filme, um bilhete, uma ida ao cinema. Prequelas e sequelas serão sempre uma razão para voltar a executar o acto.
Mas o marketing já não possui apenas essas estatísticas, nos dias de hoje o marketing percebeu que uma das forma de tornar o cinema mais lucrativo é criar um universo com várias personagens e explorar mais detalhadamente as suas vidas.
Assim, as pessoas vão mais vezes ao cinema, porque logicamente são mais filmes para ver.
É uma boa estratégia de convergência sem dúvida.
E é tão boa que rapidamente passou para a televisão e, como disse acima o canal de televisão The CW está utilizá-la nas suas séries.


Não podemos acreditar que isto aconteceu por acaso. É um avanço da ciência da comunicação, aplicada à psicologia e o marketing.
Tudo isto me faz pensar que agora não preciso de ter vergonha.
Talvez até fale de algo que poucos notaram. 

My Facebook.