segunda-feira, 22 de novembro de 2010

Um ano de MUBI

Faz este próximo mês um ano que comecei a utilizar a rede social de cinema MUBI. Uma rede social onde a interacção é feita a pensar no consumidor de cinema e adepto da sétima arte. Não deixa de ser curioso que tenha a começar com mais regularidade este spot de comunicação, ao mesmo tempo que o facebook, mas diferente no tempo de inserção de inscrição. No facebook já estava inscrito à mais tempo, mas nunca lhe dei muito uso até há um ano atrás.
O MUBI é uma rede social deveras menos frequentado que a sua congénere, que no seu universo já conta com mais de 500 milhões utilizadores activos, pelo menos pelas últimas notícias que vi a falar nesse assunto. Mas esta é uma rede atractiva e vocacionada para um tipo de público mais específico, os cinéfilos. 


Inicialmente começou por chamar-se The Auteurs, mas recentemente mudou para o que detém actualmente. A sua história começou há pouquissimos anos e as suas principais características são cinco. 
Why can’t you watch In the Mood for Love in a café in Tokyo on your laptop?
Why is it so hard to meet people who share the same love for Antonioni?
Wouldn’t it be great to instantly send Tati’s Playtime to a friend if you think they needed it? (There’s nothing like film therapy!)
Why do films on the Internet just look awful?
Why are we talking as if we were John Cusack in High Fidelity?

Não vale a pena dizer muito mais. Neste canto da rede respira-se cinema, mas cinema com linguagem e estética e que levam a sério o paradigma de que se não é popular, não quer dizer que não seja bom. O que outros têm, mas não transmitem também. Uma outra informação relevante é a sua partnership com a Sony, mais concretamente através do seu produto Play Station Network


É verdade que a minha relação com cinema tornou-se mais comum depois de a começar a utilizar com mais frequência. Podendo, desta forma,  ter acesso a filmes de qualidade e acessíveis quando a minha vontade falava e queria.
Mas acima de tudo é um lugar de pesquisa alternativa que por vezes proporciona das surpresas mais agradáveis que o cinema é capaz de dar. Mas mais fundamentalmente por ser um nicho que proporciona uma escolha diferente do mainstream de Hollywood e que contagia todo o mundo ocidental. 
No fundo é um lugar onde guardo as minhas melhores memórias de todos os filmes que vi. Nesse sentido resolvi fazer uma retrospectiva de todos os filmes que vi este ano que passou e que o MUBI ajudou a guardar uma nota. Ao longo do ano fui assinalando com estrelas a classificação que os filmes em mim causaram. Mas esta classificações são uma mera formalidade de saber distinguir os filmes, no fundo todos são bons. Contudo houveram filmes que me marcaram mais, por isso a classificação.
Assim vou apontar aqui apenas os filmes que este ano atingiram a fasquia das cinco estrelas com imagens. O resto da lista pode ser consultada aqui.  


ANTICHRIST
Dinamarca, Alemanha, França, Itália, Polónia, Suécia
2009, Lars Von Trier.
GLADIATOR
Reino Unido, Estados Unidos
2000, Ridley Scott.
ALIENS
Estados Unidos
1986, James Cameron. 
ALIEN
Estados Unidos, Reino Unido
1979, Ridley Scott.
2001: A SPACE ODYSSEY
Reino Unido 1968, Stanley Kubrick.
CITIZEN KANE
Estados Unidos
1941, Orson Welles.
DIE FETTEN JAHRE SIND VORBEI
Alemanha
2003, Hans Weingartner.
THE GODFATHER: PART III
Estados Unidos
1990, Francis Ford Coppola.
THE GODFATHER: PART II
Estados Unidos
1974, Francis Ford Coppola.
THE GODFATHER
Estados Unidos
1972, Francis Ford Coppola. 
APOCALYPSE NOW
Estados Unidos
1979, Francis Ford Coppola.
SCOOP
Estados Unidos, Reino Unido
2006, Woody Allen.
MATCH POINT
Reino Unido, Irlanda, Rússia, Estados Unidos
2005, Woody Allen.
300
Estados Unidos
2006, Zack Snyder.
TERMINATOR 2: JUDGMENT DAY
Estados Unidos, França
1991, James Cameron.
THE DREAMERS
Reino Unido, França, Itália
2003, Bernardo Bertolucci. 
ALICE IN WONDERLAND
Reino Unido
1903, Cecil Hepworth, Percy Stow. 
EUROPA
Dinamarca
1991, Lars Von Trier. 
WALKABOUT
Austrália
1971, Nicolas Roeg.
THE MATRIX
Estados Unidos, Austrália
1999, Andy Wachowski, Lana Wachowski. 
DAS WEISSE BAND - EINE DEUTSCHE KINDERGESCHICHT
Alemanha, Áustria, França, Itália
2009, Michael Haneke. 
YI YI
Taiwan, Japão
2000, Edward Yang. 
VALS IM BASHIR
Israel, Austrália, Bélgica, Suíça, Alemanha, Finlândia, França, Estados Unidos
2008, Ari Folman. 
DOGVILLE
Dinamarca, Suécia, Noruega, Finlândia, Reino Unido, França, Alemanha, Países Baixos
2003, Lars Von Trier.
FANTASTIC MR. FOX
Estados Unidos, Reino Unido
2009, Wes Anderson.
MULHOLLAND DRIVE
Estados Unidos, França
2001, David Lynch.
MONSTER'S BALL
Estados Unidos
2001, Marc Forster.
THE ABYSS
Estados Unidos
1989, James Cameron.
WHERE THE WILD THINGS ARE
Estados Unidos
2009, Spike Jonze. 
TWO LOVERS
Estados Unidos
2008, James Gray.
FORREST GUMP
Estados Unidos
1994, Robert Zemeckis.




Sem comentários:

A Mancha Humana

Philip Roth assume-se neste momento como o escritor que mais gosto de ler . Este é o meu segundo livro dele. E com o mesmo quero começar a ...