terça-feira, 15 de junho de 2010

O que existe, mas não se vê.

Trago aqui um vídeo interessante que de alguma forma se encaixa naquilo que considero de pensamento audiovisual. Realizado por Timo  é um vídeo que realmente descreve o mundo actual que vivemos. Nos dias de hoje as grandes metrópoles e não só, não são apenas constituídas por edifícios e infraestruturas de cimento e ferro. No dias de hoje, e graças à evolução da tecnologia, nomeadamente  nos meios de comunicação móveis, os espaços onde os humanos vivem são compostos por mais um elemento que por sinal é invisível ao seu olho, mas no entanto representa um papel fundamental na questão de sociabilidade. Por isso estas palavras que o autor descreve o projecto não sejam tão insensatas como parecem. : 

"Utopian and radical architects in the 1960s predicted that cities in the future would not only be made of brick and mortar, but also defined by bits and flows of information. The urban dweller would become a nomad who inhabits a space in constant flux, mutating in real time. Their vision has taken on new meaning in an age when information networks rule over many of the city's functions, and define our experiences as much as the physical infrastructures, while mobile technologies transform our sense of time and of space."


Realmente o espaço das grandes cidades estão a ser ocupadas por círculos de bits e fluxos de informação (Wireless) que estão a transformar o nosso sentido de tempo e espaço. Um sentido que no preciso momento está a ser reformulado em novos significados de tempo e espaço. O vídeo que se segue talvez seja uma aproximação visual a essa realidade.






Sem comentários:

A Mancha Humana

Philip Roth assume-se neste momento como o escritor que mais gosto de ler . Este é o meu segundo livro dele. E com o mesmo quero começar a ...