quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

Blade Runner, finalmente.

Há muitos anos que ouço falar deste filme de Ridley Scott. Umas vezes em conversas com amigos, outras em leituras, e outras nas situações de aprendizagem, vulgo aulas. Foi neste último contexto que surgiu a oportunidade de o visionar. O filme não é de fácil compreensão, o argumento é denso e o tema envolve questões sobre o homem como criador de replicants (máquinas) e como estas podem ganhar consciência da sua própria existência através das emoções que supostamente não possuem. Por essa razão, a leitura da sinopse pode tornar mais claro o asunto do filme:

A blend of science fiction and noir detective fiction, Blade Runner (1982) was a box office and critical bust upon its initial exhibition, but its unique postmodern production design became hugely influential within the sci-fi genre, and the film gained a significant cult following that increased its stature. Harrison Ford stars as Rick Deckard, a retired cop in Los Angeles circa 2019. L.A. has become a pan-cultural dystopia of corporate advertising, pollution and flying automobiles, as well as replicants, human-like androids with short life spans built by the Tyrell Corporation for use in dangerous off-world colonization. Deckard’s former job in the police department was as a talented blade runner, a euphemism for detectives that hunt down and assassinate rogue replicants. Called before his one-time superior (M. Emmett Walsh), Deckard is forced back into active duty. A quartet of replicants led by Roy Batty (Rutger Hauer) has escaped and headed to Earth, killing several humans in the process. After meeting with the eccentric Eldon Tyrell (Joe Turkel), creator of the replicants, Deckard finds and eliminates Zhora (Joanna Cassidy), one of his targets. Attacked by another replicant, Leon (Brion James), Deckard is about to be killed when he’s saved by Rachael (Sean Young), Tyrell’s assistant and a replicant who’s unaware of her true nature. In the meantime, Batty and his replicant pleasure model lover, Pris (Darryl Hannah) use a dying inventor, J.F. Sebastian (William Sanderson) to get close to Tyrell and murder him. Deckard tracks the pair to Sebastian’s, where a bloody and violent final confrontation between Deckard and Batty takes place on a skyscraper rooftop high above the city. In 1992, Ridley Scott released a popular director’s cut that removed Deckard’s narration, added a dream sequence, and excised a happy ending imposed by the results of test screenings; these legendary behind-the-scenes battles were chronicled in a 1996 tome, Future Noir: The Making of Blade Runner by Paul M. Sammon.

( From http://www.allmovie.com/cg/avg.dll )

Não discordo que o filme seja de culto e objecto de admiração por parte dos mais fanáticos. Porém, o meu pensamento acerca do filme vai no sentido de ver neste suporte fílmico espelhado aquilo que o homem tem naturalmente, mas de todo é o que menos conhece de si próprio: as emoções. É a questão que motivou o meu interesse pelo filme e a razão de ter gostado de o vêr. Acerca das emoções sei muito pouco, mas algo que sei é que são aquilo que me comandam no dia-a-dia e são elas que permitem que me adapte a diferentes contextos: rua, sala de aula, cantina, cinema, teatro, concertos, etc. Por causa disso fui pesquisar um pouco. Descobri que foi em 1884 que surgiu a primeira grande teoria da Emoção. William James e Carl Lange são os dois autores que a criaram e, por isso, chama-se Teoria James- Lange. Basicamente o que ela nos diz é que: " as mudanças no corpo seguem directamente a PERCEPÇÂO do facto excitante, e esse sentimento das mesmas mudanças enquanto ocorrem. É a emoção (...) a constatação mais racional é de que nós nos sentimos tristes porque choramos, raiva porque batemos, medo porque trememos, e não que nós choramos, batemos, ou trememos porque sentimos tristeza, raiva ou medo, dependente do caso" (James 1884). Isto é, e como escreveu Zagalo no seu livro Emoções Interactivas : "um estimulo provoca uma percepção de ameaça no sujeito; o corpo reage fisiologicamente, activando as estruturas biológicas que configuram um estado de medo para o sujeito e, só depois, dessa activação realizada é que o sujeito vai sentir o medo como emoção". No entanto aquela é a abordagem experimental sobre a emoção. A perspectiva contemporânea vê a emoção como parte do sistema cognitivo do ser-humano. O assunto é profundo e dava para fazer um tese de doutoramento.
Voltando ao motivo que me levou a escrever este post, é unicamente o pensamento sobre de que forma as máquinas poderão ou não fabricar em si próprias a emoção ? Serão capazes de se tornarem seres autónomos e completamente independentes? A tecnologia ainda não chegou a esse ponto, mas ninguém ainda sabe medir as consequências da evolução tecnológica e até onde nos pode levar, principalmente ao nível da inteligência artificial. Porque no futuro poderá existir um caso como aquele que é mostrado no final do filme: o homem apaixona-se pela máquina...
Enviar um comentário

Dark