sexta-feira, 7 de maio de 2010

O Modo de Representação_Parte_1


Num post feito a respeito do modo de análise, tinha referido que o  filme de Edward Yang (Yi Yi) me tinha feito lembrar os filmes construídos mais no modo de representação primitivo, que depois do final dos anos trinta passou para um modo mais institucional. Nesse sentido, achei por bem tentar perceber melhor o que realmente significam estes dois conceitos e quando ocorreu realmente essa transição e que fatores contribuíram para isso. 
Podemos definir brevemente o modo de representação primitivo (M.R.P) pela continuidade e por o seu foco de filmagem estar dirigido para o que se passa no quotidiano, como se o cinema fosse um testemunho documental da realidade. O modo de representação institucional (M.R.I) carateriza-se pelo movimento da câmara, a profundidade de campo, a montagem e a construção de cenários. 


Mas quero ir além de simplesmente entender qual é o significado do M.R.P ou o M.R.I. Mais uma vez existiram casualidades que levaram a interligar alguns conceitos que estão normalizados no mundo do cinema, mas os quais eu ainda não domino muito bem.
As duas imagens que coloquei acima pertencem ao filme intitulado Waltz With Bashir (2008). Um filme que nos conta a narrativa de um personagem que vive atormentado pelo sonho de ser perseguido por vinte  e seis cães e não sabe muito bem qual o significado dele. Então, depois de consultar um seu amigo psicólogo decide enveredar por uma viagem para compreender o significado das imagens que lhe aparecem enquanto dorme. É uma interpretação dos sonhos à boa maneira Freudiana.O filme foi realizado por Ari Folman que por sinal era um dos soldados israelitas, que em Setembro de 1982 estavam presentes no massacre, que ocorreu nos campos de refugiados de Palestinianos e onde morreram cerca de três mil assassinados pelos Cristãos em Beirute:
Folman was one of those soldiers, but nearly twenty-years after the fact his memories of that night remain particularly hazy. After hearing an old friend recall a vivid nightmare in which he is pursued by twenty-six ferocious dogs, Folman and his friend conclude that the dream must somehow relate to that fateful mission during the first Lebanon War. When Folman realizes that his recollections regarding that period in his life seem to have somehow been wiped clean, he travels the world to interview old friends and fellow soldiers from the war. Later, as Folman’s memory begins to emerge in a series of surreal images, he begins to uncover a truth about himself that will haunt him for the rest of his days.

Antes de mais, é importante perceber como uma produção destas é produzida e qual é a técnica utilizada para se chegar ao resultado final. Também que o filme inclui-se no género de documental, embora para o olhar mais desatento pareça do género de ficção. Sobre isso falarei num próximo post.
Voltando à produção do filme, importa referir que desde que começaram as investigações, até à gravação final, passaram quatro anos.
Depois da versão final do filme, foi decidido por Ari Folman e o director animação Yoni Goodman elaborar um storyboard básico. Este processo demorou quatro meses. Depois da fase do processo do storyboard, começou o do animatic stage que demorou mais seis meses. Depois da sua aprovação a equipa de arte começou:
sketching the film based on the reference of the final video copy and the storyboard. In total, four illustrators drew close to two thousand individual illustrations and 80% of the illustrations were drawn by the film’s super designer David Polonsky.At the same time, the animation team, comprised of 10 animators, began animating the illustrations. If at the beginning the production forecast was that the team would complete 6 minutes of screen time per month, the intricate and Sisyphean technique developed by animation director Yoni Goodman caused the production to be 50% arrears as opposed to the plan and the progress rate was 4 minutes per month. 


Durante três anos o ilustrador e director artístico David Polonsky desenhou 1720 ilustrações e não tomou parte na produção e ilustração da cena pornográfica do filme porque não considerou esta cena como apropriada para um filme como este. Como podemos ver, um filme destes engloba muito trabalho por parte da equipa de produção. Contudo, a pergunta que surge é porque eu quero falar do M.R.I e M.R.P com influência deste filmes. Isso é o que veremos no próximo post acerca deste tema.

Sem comentários:

A Mancha Humana

Philip Roth assume-se neste momento como o escritor que mais gosto de ler . Este é o meu segundo livro dele. E com o mesmo quero começar a ...